P A S S A T E M P O S

 

ANEDOTAS  E  OUTRAS  COISAS ...

 

Talento para ser Chefe:

 

Um professor pede aos alunos que escrevam uma redacção sobre o tema: "Se fosse director de uma empresa".

Todos começam a escrever excepto um.

Menino Luisinho, porque não começa a escrever?

- Estou à espera da minha secretária.

Um professor pede aos alunos que escrevam uma redacção sobre o tema: "Se fosse director de uma empresa".

Todos começam a escrever excepto um.

Menino Luisinho, porque não começa a escrever?

- Estou à espera da minha secretária.

 

 

AS  LOIRAS ...

 

Uma loira liga para o 112 para participar um assalto ao seu carro.

Completamente histérica gritava:

"Roubaram-me o tablier, o volante, o travão, até o acelerador levaram!"

"Calma" diz a voz do outro lado.. "Dentro de 5 min. estará ai um agente da PSP".

Ainda não tinham passado 2 min. a loira liga novamente e diz:

"Olhe, deixe estar! Afinal sentei-me no banco de trás por engano."

 

 

Uma loira vai a um banco descontar um cheque. Quando entrega o cheque ao

funcionário do banco, este diz-lhe:

Por favor, importa-se de se identificar?

A loira abre a carteira, tira de lá um pequeno espelho, olha-se ao espelho e diz:

Sim, esta sou eu!

 

 

Uma loira tinha acabado de vir das compras e reparou que a porta do carro estava amolgada.

Um rapaz que passou por ali disse no gozo:

Sopre pelo tubo de escape que a porta volta ao normal!

Ela fez o que o rapaz disse. Passado um pouco aparece outra loira que lhe pergunta:

- O que estás a fazer?

- Estou a soprar pelo tubo de escape para a porta voltar ao normal.

A outra loira desata às gargalhadas. - Porque te estás a rir?

- Porque com as janelas abertas nunca vais conseguir! LOURA.

 

 

Uma loira vira-se para a outra:

- O que é que fica mais longe, a Lua ou o Algarve ?

A outra respondeu:

- Dahh, és mesmo estúpida, tu por acaso vês o Algarve ?

 

 

Aquele incêndio não foi dos piores. No entanto, os bombeiros encontraram uma vitima mortal. Era uma loira, de cabeça para baixo, com o dedo indicador a apontar algures.

Ao lado dela, estava um extintor de incêndio, onde se lia:

"Em Caso de Incêndio, Vire de Cabeça para Baixo e Aponte para a Chama".

 

 

Uma loira estava a conduzir numa estrada, quando viu uma placa que dizia:

Curva Perigosa à Esquerda.

Ela não teve dúvidas: virou à direita!

Porque é que uma loira, cada vez que compra uma caixa de leite, abre-a ali mesmo, no supermercado?

Porque na caixa esta escrito : "Abra aqui"!!!

 

 

Uma loira entra a correr em casa e grita:

- Papa, Papa, eu vi dois ladroes a roubar o nosso carro!!!

- E és capaz de reconhece-los? - pergunta o pai.

- Não! - responde ela - Mas eu anotei a matricula.....!!

 

 

Sabe porque as loiras só usam a letra T da sua agenda de telefones?

Porque elas escrevem: Telefone da Ana, Telefone da Maria, Telefone do

Rodrigo, etc...

 

 

Qual é a diferença entre o pão e uma loira?

É que o pão tem miolo!

 

 

Uma loira chega ao trabalho em lágrimas.

O chefe, sempre solicito, pergunta o que lhe aconteceu:

- Hoje de manhã, antes de sair para o trabalho, recebi um telefonema a dizer que minha mãe morreu! O chefe propõe imediatamente:

- Volte para casa imediatamente. Vá descansar.

- Não quero - responde a loira - prefiro ficar a trabalhar, vai-me distrair.

Algumas horas depois o chefe nota que a loira voltou a chorar de forma ainda mais intensa.

Ele vai ate ela e pergunta:

- Não esta melhor?

A loira explica: - Nem imagina! Isto não pode estar a acontecer! Acabei de receber um telefonema da minha irmã. A mãe dela também morreu...

 

 

ANEDOTAS ALENTEJANOS

 

 

Dois alentejanos foram à caça. Um deles, olha para o ar e vê um homem a fazer asa delta. O outro saca a arma e dispara!  O amigo diz:

-         Ó compadri, que pássaro era aqueli?! 

-         Ê cá nã sei compadri, mas o sacana já largou o homem que levava.

 

Estavam dois alentejanos num café, já bêbados, quando passa uma equipa de  futebol de anões. Um deles vira-se para o outro:

Ó compadri, quem é que deixou fugir os matraquilhos?

 

 

Dizia uma comadre para outra:

Ò comadri, ê sou muito asseada: mudo de roupa interior três vezes por dia.

Responde a outra: ê também fui assim até aos dois anos, mas depois nunca mais foi tive essa precisão...

 

 

Dois alentejanos, zangados há muito tempo, passam um pelo outro num caminho.

Um deles leva um bovino à frente.

Diz o outro:  ´tão vai passear o boi?

O outro, muito admirado: Essa agora, compadri? A gente nã se falava há tanto tempo! Mas olhe qu'isto nã é um boi, é uma vaca. O compadre enganou-se.

Resposta do primeiro: Ê cá nã estava a falari com vocemecêi. Estava a falar com a vaca.

 

 

Uns lisboetas de viagem ao alentejo vêem um alentejano junto a uma  paragem de autocarro e tentando entrar no gozo perguntam:

- Compadre, a que horas chega aqui o autocarro da rodoviária?

- Agente aqui na chama rodoviária, é camenéta da carrêra!

- Mas compadre, a rodoviária é a transportadora nacional

- Já lhe disse, a gente aqui chama camenéta da carrêra!

- Já irritado o lisboeta vira-se e pergunta: - Olhe, e como é que aqui chamam os filhos da p...

- A gente aqui nã os chama, eles vêm cá teri!

 

Caro leitor, como acaba de ler, os alentejanos afinal são uns finórios que ainda dão para alguns Lisboetas “chicos espertos” .....

 

 

ANEDOTA  DOS  CAHRUTOS

 

Um advogado de Charlotte, Carolina do Norte, comprou uma caixa de charutos muito raros e caros, e então contratou uma apólice de seguro contra incêndio e outros riscos. Dentro de um mês, tendo fumado todo o seu estoque desses charutões e ainda sem ter pago sequer a primeira parcela do prêmio do seguro, o advogado entrou com uma ação contra a seguradora. Em sua ação, o advogado declarou os charutos foram perdidos "numa série de pequenos incêndios. A companhia de seguro se recusou a pagar, citando a razão óbvia: que o homem consumiu os charutos do modo normal. O advogado processou a seguradora ... e ganhou ! Ao proferir sua sentença, o juiz concordou com a companhia de seguro de que a reivindicação era frívola. Não obstante, o juiz declarou que o advogado contratou uma apólice de seguro com a seguradora, na qual esta concordou que os charutos eram asseguráveis e que também os asseguraria contra fogo, sem definir, no entanto, o que seria considerado "fogo inaceitável", e por isso e estava obrigada a pagar a reivindicação. Em vez de suportar a longa e cara apelação à sentença, a companhia de seguro aceitou a decisão e pagou $15,000.00 para o advogado pela sua "perda dos charutos raros, queimados nos incêndios". AGORA A MELHOR PARTE. Depois do advogado receber o cheque, a companhia de seguro mandou prendê-lo por 24 casos de INCÊNDIOS CULPOSOS - PREMEDITADOS! Com sua própria reivindicação de seguro e a jurisprudência do caso anterior sendo usada contra ele mesmo, o advogado foi condenado por incendiar intencionalmente a sua propriedade coberta por seguro e foi condenado a 24 meses na prisão e a uns $24,000.00 de multa. Esta é uma história verdadeira e foi vencedora em 1º lugar na Competição de Prémio de Advogados Criminosos recentes.

 

Caro leitor, tome cuidado com açlguns advogados que pensam que tudo sabem e depois quem se vê em apuros é o cliente.  Outros po´rem são bastante inteligentes e conseguem com outra lei dar a volta.

 

 

COMO DAR UMA MÁ NOTÍCIA

 

O Joaquim, empregado do Sr. Manuel, grande fazendeiro no Brasil, teve que telefonar para o patrão para dar uma notícia muito grave que poderia fulminar o patrão. Sem saber qual a melhor maneira de fazer, pensou ... pensou ... e de repente resolveu-se a telefonar:

-         Alô! Daqui é o Jóaquim, que quer falar com o patrão Mánuel.

-         Diz Jóaquim. O que é que se passa ?

-         Patrão, aconteceu uma grande desgraça aqui na Fazenda ...

-         Diz logo o que foi, homem.

-         Lembra-se daquele papagaio que ganhou um prémio o ano passado, de que o patrão tanto gosta ?

-         Sim! O que se passou com ele, homem ?

-         Pois é, o papagaio apareceu morto ...

-         Morto ? como é que isso aconteceu seus desastrados ?

-         Comeu carne estragada ...

-         Mas quem lhe deu carne estragada, quem foi o cretino que matou o meu querido papagaio de estimação ?

-         Ninguém patrão, foi ele que comeu carne daquele seu cavalo, o puro sangue que lhe custou uma fortuna ...

-         O meu rico “Flecha” que já ganhou tantas corridas ? Oh! Homem o que me contas ...

-         Esse mesmo patrãozinho!

-         Mas como é que ele morreu, desgraçado ?

-         Morreu de cansaço ...

-         Como de cansaço ?

-         De puxar pela carroça da água ...

-         Mas como é que o meu puro sangue foi puxar a carroça da água, e para quê, homem de Deus ?

-         Foi para apagar o fogo na Casa Grande ...

-         Mas como é que pegou fogo na Casa Grande, onde eu tinha a minha rica colecção de quadros ?

-         Foi uma vela que caiu ao chão e pegou fogo. Ardeu tudo ... Não restou nada !!!

-         Mas que vela, se eu mandei electrificar a Casa Grande, exactamente para não se acenderem mais velas ?

-         Foi uma vela do velório ...

-         Mas que velório ? Quem morreu, que desgraça mais é que me vais contar ?

-         Bem, patrãozinho, é que a sua Mãe apareceu por cá de repente, sem avisar ..., e eu, no escuro, pensando que era um ladrão ... pumba, disparei, e como tenho boa pontaria, a pobre senhora nem chegou a sofrer. Já está no Céu de certe-za.

-         Oh! Homem, o que me contas ? Mas que desgraça tão grande !!!

-         Bem, patrão, afinal o papagaio que morreu foi aquele já velhinho que estava doente, muito feio com que o patrão embirrava, lembra-se?

-         Ai foi esse ? ainda bem que foi esse, ao menos valha-nos isso ...

-         E o cavalo, afinal enganei-me, não foi o puro sangue, não senhor, foi aquele carroceiro já velho e manco!

-         Oh! Homem, já estou mais contente!

-         Mas da casa não ficou mesmo nada ?

-         Bem, da casa, o que ardeu foi apenas o quarto do fundo, onde estávamos a velar a sua santa Mãe. Conseguimos apagar o fogo e salvar o resto da casa.

-         Bravo Jóaquim, salvaste a minha colecção de quadros. Obrigado meu velho.

-         Bem, é tudo patrão!, os meus sentidos pêsames pela sua Santa Mãezinha, e as minhas desculpas pelo acidente, mas eu não tinha intenção ...

-         Oh! Homem, tu fizeste a tua obrigação em te defenderes dos ladrões. Para que é que a minha Mãe apareceu assim pela calada da noite, sem avisar ? Coitada, vai-me fazer tanta falta ... que fazer agora ? Olha faz-lhe um funeral bonito, com as cinzas do fogo, já que o seu corpo também ardeu.

 

Caro leitor, aprenda como se deve dar uma má notícia, preparando aos poucos a pessoa para algo menos mau, que ele possa suportar. E depois ..., bem, depois conte-lhe o que tem de contar.

 

 

*  Retroceder