4 -

 

                                         ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL

                 AMIGOS DE ANGOLA

                                  A.I.A.A.

 

 

Excelentíssimo Senhor

Primeiro Ministro

Dr. Durão Barroso

 

Palácio de S. Bento

LISBOA

 

Lisboa, 23 de Julho de 2003

 

A “A.I.A.A.” – Associação Internacional Amigos de Angola, constituída a 27 de Novembro de 2001, no Cartório Notarial de Castelo Branco, NIPC 505 212 811, “… é uma associação sem fins lucrativos e de solidariedade social, sem carácter confessional ou político e de carácter universal da Diáspora Angolana, dos angolanos, anglo-lusos, luso-angolanos, retornados, refugiados, deslocados e amigos de Angola, independentemente da sua raça, sexo, ideologia política ou credo religioso, na unidade e individualidade da Pátria Angolana.”, conforme artigo segundo dos seus Estatutos e, de acordo com o respectivo artigo primeiro “… tem por fim dar apoio aos angolanos e amigos de Angola, particularmente no desenvolvimento cultural e social.”, congratula-se com o acto meritório e justo de mandar abrir 600 vagas nas universidades portuguesas para os “filhos” de Cabo Verde.

 

De acordo com os objectivos estatutários da “AIAA” atrás referidos, desejamos apoiar, directa ou indirectamente, os nossos filiados a conseguirem habilitações literárias e profissionais suficientes ao cabal desempenho das tarefas para que forem solicitados ao regressarem a Angola.

De Empresas filiadas na “AIAA”, foi-nos solicitado mão-de-obra com alguma preparação universitária, em disciplinas determinadas, o que obriga os interessados a terem pelo menos a frequência de algumas cadeiras, nomeadamente de um dos seguintes Cursos, conforme os casos: de Direito; Geologia; Engenharia Civil e Agronomia.

Nesse sentido, a Direcção da “AIAA”, com o apoio monetário da Fundação “Paulo Alexander’s Canadian Foundation”, constituída no CANADÁ em 2003, representada em Portugal pelo Presidente da “AIAA” e signatário desta carta - Carlos Caldeira de Victória-Pereira, decidiu implementar a formação universitária pessoal de pelo menos 200 filiados seus, de acordo com as solicitações das empresas empregadoras.

Para o efeito, solicitamos a Vossa Excelência se digne mandar diligenciar as necessárias autorizações para que 200 dos nossos filiados, residentes na Grande Lisboa, possam anualmente serem matriculados em Lisboa, como alunos ouvintes nas disciplinas pontualmente a indicar, sem necessidade de aproveitamento, ou passagem de qualquer diploma universitário, nas Faculdades em que sejam leccionados os Cursos atrás referidos.

 

Estamos à disposição para qualquer Reunião de Trabalho com vista ao referenciado, com quem Vossa Excelência se dignar indicar para o efeito, ou para qualquer outra informação sobre as actividades da nossa Associação e ou da Fundação referida.

 

 

De V. Exa.

Atenciosamente

 

Carlos Caldeira de Victória-Pereira                            Manuel Maria Caldeira de Potes Cordovil

Presidente                                                                                                      Vice-Presidente

 

 

*Retroceder